O que é o terroir do queijo?

Talvez você já tenha ouvido a palavra terroir sendo utilizada como se fosse a marca de um produto gastronômico, como vinho, azeite ou café. Mas você sabe que esse termo diz respeito ao local onde o produto é feito?

O queijo mineiro é reconhecido por ter características inigualáveis se comparados aos produzidos em outros estados. O que muita gente não sabe é que alguns queijos são únicos e exclusivos de determinadas regiões.

Que tal aprender sobre o terroir do queijo e entender o que pode diferenciar um produto a ponto de ele não poder ser produzido em outro lugar? Acompanhe!

O que é terroir?

A palavra é de origem francesa e se pronuncia como “terruá”. Seu significado literal remete a terreno, território, pequena região. É muito utilizada na Europa (e, hoje em dia, aqui também!) para designar um produto de determinado território que possui um conjunto de características climáticas, geográficas e humanas que são específicas da região.

Para ficar mais claro, o terroir é o que torna um produto — seja um queijo, azeite, manteiga ou vinho — singular e único, que não pode ser fielmente reproduzido em outro lugar.

É importante dizer que são levadas em conta tanto as características naturais do território quanto as interferências humanas que ocorrem ali. Isso quer dizer que são considerados geologia, clima, altitude, flora bacteriana, umidade, água, ar e capim, entre outros, aliados à tradição, à cultura, à história do local e modos de produção utilizados.

Falando de queijo, que é nosso assunto favorito, o terroir designa as diferenças no sabor do queijo, na maturação, no tipo de mofo que aparece em determinada região e tudo que os fatores citados podem influenciar.

É isso mesmo que você entendeu: um queijo produzido em uma região com determinado clima e altitude não tem o mesmo sabor que aquele feito em outro lugar que apresenta condições diferentes.

Terroir do queijo mineiro

O modo de fazer queijo de brasileiros e europeus é diferente, o que resulta em produtos diferentes, tanto quimicamente quanto culturalmente, fato que pode ser percebido nos sabores e aromas.

E com o jeitinho mineiro não é diferente. Como exemplo, podemos citar que entre os produtores artesanais no interior de Minas Gerais foi passada por gerações a cultura de utilizar uma espátula de madeira para cortar a massa do queijo.

Outra característica que influencia no terroir dos queijos feitos em Minas é o acréscimo do chamado “pingo”, que é o soro do queijo feito no dia anterior, usado como fermento láctico natural e que possui a flora bacteriana da região específica onde o produto é fabricado.

Como já citamos que a água da região também pode influenciar no resultado final, podemos dizer que esse é um dos fatores que favorecem os produtores de queijo da Serra da Canastra, região onde brota uma água bastante pura.

Vale ainda destacar a raça do gado e a alimentação feita nos pastos que originam o leite cru para a produção de queijos. Tudo indica que o capim fresco ajuda a potencializar o sabor do terroir, enquanto a silagem pode modificar o gosto da massa do produto final.

Ainda falando da Serra da Canastra, a qualidade da pastagem natural também é considerada fator decisivo para o sabor dos queijos produzidos ali, pois muitos pastos são repletos de braquiara, também chamada de capim gordura, que torna o leite mais gorduroso e interfere no terroir do queijo.

O que a gente conclui disso tudo é que o ideal é experimentar os diferentes queijos mineiros, feitos de diferentes modos e com características específicas, para comprovar que não tem nada melhor do que um sabor exclusivo e único a cada experiência.

Agora que você já sabe tudo sobre o terroir do queijo, que tal seguir nossas redes sociais — Facebook e Instagram — para ficar por dentro de tudo o que falamos por aqui?

0

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Carrinho